David Miller fala sobre sua educação musical e os desafios que enfrentou

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Abaixo texto,  que eu mesma traduzi,  da entrevista publicada em 15/10/2010, em um jornal especializado em questões educacionais, chamado “Stay Out of School” e publicada nas páginas “David Miller” e “Mais Interessantes” deste blogue.

David Miller fala à entrevistadora Elisabeth King sobre sua educação musical, do incentivo familiar, das escolhas que fez e do que aprendeu a respeito delas, da importância da motivação, da técnica vocal, das barreiras que enfrentou e faz críticas ao sistema educacional, entre outros assuntos. Uma entrevista para refletir. Destaquei, em vermelho, alguns pontos que considerei interessantes.

David Miller nasceu na Califórnia em 1973 e cresceu no Colorado, formou-se no Conservatório de Oberlin em Vocal Performance e ópera. Sendo mais conhecido por seu trabalho na atualidade como o norte-americano membro do quarteto internacional criado por Simon Cowell, Il Divo, David também interpretou o papel de Rodolfo na versão de 2002 de Baz Luhrmann de “La Bohéme”, de Puccini, na Broadway. Ele cantou nas casas de ópera mais renomadas do mundo, incluindo o lendário La Scala e é considerado internacionalmente um dos mais brilhantes e mais talentosos  jovens cantores americanos de ópera. Estamos entusiasmados por tê-lo a compartilhar seus pensamentos sobre seu crescimento como jovem artista e sobre  a educação artística aqui no Stay Out Of School.

 Você pode iniciar, dando uma descrição do trabalho que você faz?

 Bem, eu sou um cantor. Eu fiz graduação por cinco anos como cantor clássico e tive um período de aprendizado como artista  no programa para jovens da Pittsburgh Opera em dois anos. Passei então dez anos como um cantor operístico cantando ópera somente. Nos últimos seis anos eu fui para o grupo Il Divo. Nós somos quatro cantores de diferentes origens musicais. O que fazemos é que reunimos nossas diferentes origens, o modo como os quatro cantamos em uma única música à qual tentamos dar um aspecto mesclado com uma mistura de técnicas. Podemos começar uma canção de uma maneira muito pop, crua, emocional e terminar com um grande final operístico.

 Quanto de sua educação musical precoce aconteceu em casa e quanto aconteceu na escola? Como era sendo um jovem músico em uma casa como o sua?

Minha primeira experiência com música em casa, bem, eu acho, foi no útero. Minha mãe costumava tocar música clássica e colocar os alto-falantes junto à sua barriga! (risos) Mas na vida real, a minha primeira experiência musical foi o piano — meus pais tiveram um piano e eles me deram algumas lições e eu não me saí muito bem. Então eles disseram: “OK, se você não quiser, do que você gosta? Você gosta de instrumentos musicais?”

 E eu disse que queria tocar trombone.

 Assim, eles encontraram um professor que estava disposto a ensinar um garoto de nove anos a tocar trombone. Meu professor finalmente encontrou uma Orquestra Juvenil para eu tocar e  me destaquei muito rapidamente sob orientação e disciplina dos meus pais; não que eles tocassem quaisquer instrumentos, mas aplicando o ideal de que se você colocar seu coração e sua cabeça para algo, você pode fazer qualquer coisa que você queira. Então eles disseram: se isto é o que você quer fazer, você tem que aprender os conceitos básicos e tem que aprender a teoria e tem que aprender que a música é para que você possa se integrar nela. É o que esta Orquestra Juvenil forneceu todos os sábados e meus pais a tipo de exigência me disseram que “se você estiver indo para fazer isso, você tem que praticar em casa pelo menos uma hora por dia” —  não importa se estava estudando livros de teoria musical ou realmente praticando com o trombone.

 Eu fiz isso até cerca de treze anos e, em seguida, decidi que a banda era inteiramente muito “geeky”, assim entrei para o coral em vez disso.

 Isso é como uma atualização de um nível de banda para o coral. Como um passo acima. Sim, é engraçado considerando a atual opinião de todos sobre o “glee club” de Glee, que eu acho que é um espetáculo engraçado. Eu realmente não me importo com as montagens, mas eu acho que é um show divertido e como que me incentiva a pensar sobre como a música pode funcionar na escola. Eu sempre fui um grande teórico de que a música não é apenas música — a música é uma mentalidade, uma pesquisa para uma compreensão mais profunda que pode não ser tangível, pode ser temporária. Mas se está aprendendo a harmonizar, a se expressar, aprender o quão profundos, intangíveis níveis de pensar e sentir são absolutamente aplicáveis a qualquer  disciplina.

 OK, então podemos falar um pouco mais sobre disciplina? Você estava falando sobre isso antes, mas esta disciplina alimenta sua paixão? Você briga em ser disciplinado?

 Para mim, acredito que a disciplina vem de muitas formas diferentes. Todo mundo tem um estilo diferente de aprendizagem. Algumas pessoas, como eu, são aprendizes de ouvido. Eu posso ouvir uma conversa e repetí-la de volta quase textualmente quando eu estou realmente no momento e prestando atenção. Outras pessoas não podem fazer isso — outras pessoas são aprendizes intuitivas, por exemplo, se estão aprendendo línguas. Se estou aprendendo uma língua, eu só tenho que ouvi-la mais e mais e é fácil repetir novamente — eu sou muito papagaio – exatamente desse modo. Algumas pessoas precisam falar mais e mais para guardar em sua memória física dentro do corpo. Outros precisam sentar e escrever. Realmente depende de qual é a sua predisposição em seu cérebro.

 Eu acho que é uma coisa realmente importante para entender sobre si mesmo quando olhamos para qualquer tipo de disciplina. Se você está seguindo uma paixão e a você foi dado um conjunto de instruções sobre como ser disciplinado, que não são compatíveis com o seu estilo de aprendizagem, você vai se sentir como se estivesse batendo a cabeça contra a parede.

 Assim de muitas maneiras, sua própria disciplina pode realmente abastecer sua compreensão de si mesmo e sua compreensão do trabalho resulta disso que é a língua de uma espécie que inerentemente fala como um aprendiz e um pensador.

 Eu acho que “disciplina” é realmente outra palavra para “dedicação”. Ela vem de um lugar interno: se você deseja fazer alguma coisa ou você não quer fazê-la. Se você quiser fazê-la, há certas construções que você precisará ser capaz de integrar da forma como você está. Assim, se você quiser aprender matemática, se você gosta de matemática, você vai descobrir uma maneira em pode fazer matemática. Você pode estudá-la do ponto de vista esotérico, você pode escrever as equações mais e mais, tudo o que está em favor de você, mas você tem que descobrir o que está indo de encontro com seu estilo de aprendizagem, então você acaba entrando nos eixos.

 Você não pode aprender qualquer coisa sem colocar o tempo. Você tem que ter o desejo de absorver algo para realmente ir além disso e, em seguida, absorvê-lo. Eu acho que é um encapsulamento de como a disciplina realmente é.

 Estou muito interessada em descobrir os momentos em que sua identidade como um artista realmente atingiu um patamar ou momentos quando você se sentiu com poderes para tomar o que senti como “grandes passos” na época de seu próprio desenvolvimento artístico. Existem pessoas influentes chave ou eventos que vêm à mente? Ou talvez podem mesmo ser momentos onde você começa a identificar-se como “artista” ao invés de apenas um outro garoto que canta?

 Hum, eu não acho que descobri isso ainda. (Risos) Eu não olho para isso em termos de categorias, como “Isto é arte” e “isto é ciência,” porque eu acho que há uma ciência por trás da arte e há uma arte por trás da ciência. Para mim, eu sou muito cerebral, eu sou muito científico a respeito de minha abordagem da música. Por exemplo, aprendendo sobre a voz, aprendendo sobre a estrutura física da voz, aprendendo sobre como a pressão da respiração interage com as cordas vocais, que vem a oclusão em um certo grau que lhe proporciona um equilíbrio das notas não muito sustentáveis, que pode criar nódulos na garganta e não tanta pressão, que também pode causar pólipos, que é o outro lado da moeda. Trata-se de encontrar o equilíbrio.

 Eu sou muito fisicamente orientado, interessado em compreender a fisicalidade — do ponto de vista imaginário porque eu obviamente não posso estar olhando para minhas cordas vocais o tempo todo. Mas eu posso estudar os desenhos, eu sei a anatomia, sei onde estão todos os ossos, todos os músculos, todos os ligamentos, toda a cartilagem na garganta inteira, pulmão, sistema diafragmático …. Até mesmo os órgãos deslocados quando você tira o fôlego: isso tudo é minha mentalidade sobre a arte. É muito raro para mim liberar aquele sentimento como, “Ah, isso é pura criação! Eu estou expressando emoção por meio da canção!”

 Eu nunca realmente chegaria a esse ponto.

 Gostaria de dizer “OK, aqui está o Dó maior chegando, eu preciso abordá-lo partir do Mi natural, que significa que eu vou precisar de uma certa abertura na garganta para que eu possa invertê-lo sobre o “passaggio”, que precisa de alguma pressão da respiração e abertura e projeção e meu queixo precisa para isto ser aberto.

 É fora dos padrões, na verdade. (Risos)

 Nesta fase em minha carreira, é tudo muito científico e um pouco pedante. Isto foi realmente minha muleta por um longo tempo — tem sido minha base para compreender que quando eu ficar doente, eu sei o que estão fazendo os músculos, quando estou muito desidratado de estar em um avião, eu sei o que os músculos estão fazendo e como compensar isso.

E tendo dito, como antes, eu realmente não me reconheço nesse lugar onde eu apenas deixo-me levar e somente  emoci… e que não é algo que você pode apenas quantificar ou separar, ou se isso for possível, eu ainda não descobri. É algo que eu estou aprendendo a descobrir por meio da minha compreensão científica. “Sim, eu tenho que, essa é minha base. Agora preciso descobrir o yin do yan de cantar. Cantar é uma grande saída, meio antiquada, para “fazer” um tipo de atividade. Mas você tem que encontrar o yin de onde brota o yan.

 Isso é onde eu estou agora. Eu iria me chamar um artista? Mmmmmmm, talvez? (Mais risos)

  Ah, isso é engraçado! Identifico-me totalmente com isso — eu sou tão auto-consciente, sempre que eu estou fazendo qualquer tipo de trabalho, tanto quanto posso. Eu sou tão calculista da mesma forma que você é; realmente me identifico com isso. Eu nunca vou deixar me levar (ou talvez conviver com isso) e dizer “Estou tendo um momento criativo!” porque conheço frequentemente as técnicas de tudo o que é que estou trabalhando. Isso é muito interessante para mim.

 Isso é o que Baz Luhrmann costumava chamar meu “diretor de palco interior”. Ele disse que todo aquele que atua para o público tem um artista no seu íntimo e um diretor de palco interior e precisa encontrar o equilíbrio entre ambos. Você não pode até o presente em sua arte esquecer onde estão todas as suas necessidades e qual seu preparo. Você não pode ir tão longe como técnico, como diretor de palco interior, se você não se conectar com o público por meio da arte.

 Há um equilíbrio a ser perseguido.

 Para ele é 70/30: setenta por cento artista, trinta por cento a direção de palco interior e ele costumavam dizer que eu tinha o inverso. Essa foi uma das coisas que ele estava tentando me ajudar a descobrir.

 Você já teve alguns momentos em sua carreira em que pensou, “Esqueça isto; eu estou fazendo o que eu quero fazer. Na verdade, eu tenho que fazer isto…. ” (por exemplo, indo contra a sugestão de um professor/pai/tutor/etc)?

Oh sim! Basicamente toda a minha vida!

 Oh legal! Bem, no que eu estou realmente interessada, como você fala sobre um ou dois deles, é que você seja a pessoa que foi capaz de, no final do dia, “morder a bala” e fazer o que você  sentiu como se você levado a  fazer isso.

 Como eu disse antes, meus pais me deram uma compreensão mais cedo no sentido de, você se voltar para isso, você pode conseguir algo… e eu acho que isto é verdadeiro para todos os inventores, todos os artistas, todos físicos quânticos, ou o Greenpeace! Qualquer coisa que você quer fazer, que você colocar na sua mente, pela qual você se sente atraído, é a única coisa em que você estará criando as circunstâncias pelas quais você encontrará a si mesmo.

 Para mim, que passei muito tempo deixando o universo me orientar, como por exemplo, fiz o trombone por um tempo, eu me senti propenso nesse sentido, mas quando eu não me senti designado nesta orientação, eu deixei isto de lado. E então eu encontrei o coral no colégio e eu estava muito inclinado para isto que então eu prossegui. Eu apenas era do tipo de me deixar levar pelo meu faro, como “o que eu sinto que devo fazer? Bem, eu me sinto fazendo isto. OK! Ir em frente e fazê-lo. Até onde prosseguir?”

 No meio de tudo isso, meu professor do coral me despertou o interesse e começou a me introduzir â ópera e ouvir diferentes tenores que ele pensou  ser parecidos  comigo se eu me aplicasse. Descobri o quão emocionante era ouvir aquelas vozes de tenor.

 É uma mistura interessante de, bem, de gritos e… você sabe, Pavarotti costumava dizer que cantar ópera era como controlar o grito. Há algo sobre a maneira como o tenor aproxima as coisas ser muito visceral, é muito energética — e eu sou uma pessoa muito energética [e] … na ópera você realmente tem que chegar lá e isto tem que vir de você mesmo.

 Sendo um Áries, sendo um signo de fogo e tendo uma alegria-de-viver, a ópera perfeitamente se tornou algo para qual eu realmente fui moldado. Eu tive o incentivo dos meus pais e meu professor do coral. Eu fui e encontrei uma professora de canto e ela disse: “Definitivamente! Você está caminhando para a coisa para a qual parece feito porque está realmente fazendo progressos rápidos com isso”.

 Então fui para o Conservatório de Oberlin e comecei com um professor e esse professor era um pouco mais velho na escola, do tipo “ninguém sabe se eles vão se tornar um cantor de ópera com dezoito anos de idade” e “você não pode saber se você irá  ser um cantor de ópera” e “vamos apenas nos focar nos exercícios, deixe-nos apenas levá-lo para baixo um degrau, para que fique à frente de si mesmo.”

 E eu apenas disse: “bem, isso é tudo muito bom, a técnica é muito boa. Eu sei o que vou fazer uma vez que isto terminar, portanto, apesar de você achar que é o mais adequado para eu aprender agora, se acontecer de você me considerar apto no sentido de continuar na ópera, me dê algumas dicas e sugestões neste sentido, porque é nesta direção que tenho bastante certeza que eu quero ir…”

 Ele e eu batemos a cabeça por um certo tempo a respeito disso. Até o Junior Year. Quando eu optei pela ópera.

 E ele disse: “OK. Então, você estava certo…. vamos continuar. “

 Realmente acho que foi o único obstáculo que atrapalhou minha cabeça. Eu atribuo muito mais a uma espécie de “teste de fé” este tipo de coisa. Desta forma, eu sinto que o universo coloca estes “mini” testes em seu caminho, como “você realmente quer fazer isso? Você tem certeza que quer fazer isso?  OK, você está certo, correto?”

 Em algum momento certa coisa surgiu para que eu dissesse sempre “Sim, isso é o que eu quero fazer!”… e em todo momento eu tinha uma resposta, seja ela interna ou externa, como “Sim, você está no caminho certo,” então isto sempre me deu espaço para me aprofundar.

 Mais uma vez, que eu tenho que atribuir o aprendizado a como ser disciplinado. Você não pode realmente “aprender disciplina.” Você pode aprender o que a disciplina é, mas até que você consiga ser disciplinado, você não vai ter disciplina. O que isso significa para você — é a coisa que vai levá-lo a se colocar nos eixos.

 Certo, certo, certo! Disciplina não é algo que surge para você, é algo que você faz surgir.

 É uma vontade de abraçar a expressão mais completa de tudo o que é a sua paixão.

 Finalmente, eu quero falar sobre ciclo interno que eu penso que constantemente se revolve dentro do cérebro criativo — eu acho que é a parte mais misteriosa e estranha, a parte que faz a arte parecer mística e mágica no exterior.

 Para mim, eu acho que há um ponto de partida e o ponto de partida é o desejo e ele vai em um ciclo infinito, mas eu acredito que o ponto de partida em qualquer aventura é o desejo de ir nessa aventura. Depois de encontrar esse desejo, quaisquer que seja, de construção de foguetes a navios para tirar o lixo, qualquer que seja ele, isto é o combustível para fazer qualquer tipo de mudança.

 Eu estava pensando sobre a minha experiência no ensino médio — o conteúdo que é expresso em educação sistematizada é uma espécie de arbitrariedade. É como uma sortida seção das coisas que se pode encontrar. Você sabe? Você expor um filho para todas essas categorias diferentes, matemática, ciência, francês, educação física e é em algum momento no desenvolvimento de um ser humano que você trava em uma dessas áreas. Às vezes ele está apenas querendo ser o garoto bonito. Temos indústrias inteiras dedicadas para ser o garoto bonito.

Podemos jogar tudo isso sob a égide de “educação”. Mas eu acho que a verdadeira educação decorre de um desejo de ser educado, ter um conhecimento prático e compreensão de tudo para o que você está inclinado.

Eu acho que a escola faz um bom trabalho de expor o quadro, mas eu não acho que há suficiente encorajamento [ou ênfase] “Isso lhe interessa? Você gosta de estar na aula de inglês?”

É mais importante para estimular o desejo nas crianças a querer aprender isso ou aquilo ou então, quando esse desejo aflorar, incentivar as crianças a seguir esse desejo.

Parece que o desejo é mais central na sua própria experiência como artista. Você diria neste momento em sua vida que você é o condutor do seu próprio desejo? Existem pessoas que são estrategicamente colocadas para cultivá-lo?

 Eu não sei se diria que o desejo é abastecido por si mesmo. Eu acho que ele é descoberto.

 Olha, você não sabe se você vai querer tocar trombone. Mas quando você vê-lo e ouví-lo e então ‘Uau’!— e é esse sentimento de “Uau”!— você meio que tropeça nele. Uma vez que está lá, você sabe, [desejo] é tudo uma questão de atitude nesse momento. Se você encontra [o trabalho] agradável, então, é bastante fácil.

 Se ele deixa de ser agradável, é seu dever perguntar: “Por que?”. O que parou de ser divertido? Ele mudou? Eu mudei? Eu simplesmente obtive o que eu precisava dessa experiência e já é tempo de uma nova experiência? Está a prática ficando árdua? Eu sou preguiçoso?

Por que razão não estão essas coisas tranquilas o suficiente para serem um pouco mais divertidas?

 [Desejo] é algo que você pode procurar — as pessoas passam a vida inteira procurando por ele. É como casamento: quando a chama apaga no casamento, não significa que o casamento acabou. Isso apenas significa que sobreveio um novo paradigma e pessoas precisam decidir ….Bem, isto pode ser controverso, mas eu acredito que as pessoas decidem como elas se sentem a respeito das coisas. As pessoas têm reações, as emoções surgem, mas você não tem que compulsivamente reagir a essas emoções. Você começa a conviver com elas por um tempo e decide se quer ter essa emoção.

 Se eu gosto de estar com raiva? Eu realmente não gosto de estar com raiva. Bem, se eu realmente não gosto de estar com raiva, em seguida, é parte de minha responsabilidade  descobrir porque estou irritado para então lançar mão disso. É a coisa do tipo: Eu gosto disso, então vamos descobrir como continuar a fazer disso uma coisa agradável, identificando porque é agradável.

 Se você bate em porquê algo é agradável, torna mais fácil ficar dentro de um quadro de trabalhar os meios que lhe trazem alegria. Se você gosta de montanhas-russas, por causa do pico da adrenalina e se você parar de receber esta dose de adrenalina quando você andar nelas, vai parar de andar de montanhas-russas.

 Isso é algo que professores e outros educadores podem realmente ser capazes de conquistar por entender o que torna jovens artistas de qualquer disciplina realmente animados sobre o seu trabalho. Parece que maior parte do ensino é sobre como ajudar os estudantes a descobrir-se,  maior parte é ajudar os alunos descobrir seu próprio padrão de aprendizagem e desejo.

 Existe alguma coisa que você pensa que eu não posso ter mencionado a respeito da iniciação de jovens artistas?

 Acho que a ciência e a arte são o yin e o yan da existência: Ciência, a atenção para a descoberta de estruturas e a arte, a atenção no reforço dessas estruturas para ver uma imagem maior. É duro desfrutar o sorriso de Mona Lisa, quando você está examinando a tinta cor de carne. Mas, a tinta ainda é necessaria – Bernoulli, The Divine Proportion – traz o estudo das estruturas para sermos capazes de colocá-las juntas por meio de seu coração central e transformar a estrutura em arte.

 Há um ponto em que a estrutura é tão delicadamente posta junto que se torna arte, e quando você pode reconhecer a beleza em uma estrutura, você pode ver a arte em tudo.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s